Guerra nuclear poderia acabar com a civilização por falta de comida – urandir news


Segundo um estudo publicado pelos vencedores do Prêmio Nobel da Paz (IPPNW – Urandir 2013 - International_Physicians_for_Prevention_of_Nuclear_War_(IPPNW)_LogoAssociação Internacional de Médicos para a Prevenção da Guerra Nuclear), uma possível guerra nuclear entre Índia e Paquistão poderia desencadear uma fome mundial que, em função da fome devido a falta de alimentos, poderia levar a morte de dois bilhões de pessoas no planeta e até mesmo acabar com a civilização humana.

Mesmo com um alcance limitado, um conflito com uso de armas nucleares pode causar sérios estragos na atmosfera da Terra e aniquilar as colheitas, gerando consequencias que levaria a um caos no mercado de alimentos, conforme o relatório do estudo.

Desde o início das pesquisas atômicas e os consequentes testes e uso de tecnologia bélica nuclearurandir 2013-explosao-da-bomba-atomica, diversas etnias de extraterrestres vêm monitorando e tratando a atmosfera da Terra. Essa preocupação fundamenta-se que apenas uma bomba nuclear detonada pode causar uma reação em cadeia danificando toda a atmosfera do planeta. Segundo eles, caso um fato desse ocorra, isso pode ocasionar um desequilíbrio não somente no sistema solar, mas também em outros sistemas planetários distantes daqui.

O estudo inicial da Associação Internacional de Médicos para a Prevenção da Guerra Nuclear foi publicado já em abril de 2012 e dizia que uma grande onda de fome causada por uma guerra nuclear poderia matar mais de um bilhão de pessoas. Já numa segunda versão, a organização declarou que havia subestimado amplamente os impactos na China e calcularam que o país mais populoso do mundo enfrentaria uma grave crise alimentar.

urandir 2013-nuclear explosionIra Helfand, o autor do estudo da IPPNW declarou que “A morte de um bilhão de pessoas no mundo desenvolvido é obviamente uma catástrofe sem comparação na história humana. Mas se você somar a isso à possibilidade de outro 1,3 bilhão de pessoas em risco na China, estamos falando de algo que é claramente o fim da civilização”. Segundo Helfand, o estudo concentrou-se na Índia e no Paquistão devido às já antigas tensões entre estes dois países envolvendo armamentos nucleares. Ainda conforme Helfand, o planeta pode esperar o mesmo impacto apocalíptico de qualquer guerra nuclear, mesmo que limitada, pois as armas nucleares modernas são muito mais poderosas que as bombas americanas que mataram mais de duzentas mil pessoas em Nagasaki e Hiroshima em 1945. Imaginando uma guerra entre duas grandes, potências Helfand acrescenta: “Com uma grande guerra entre Estados Unidos e Rússia, estamos falando da possível – não certa, mas possível – extinção da raça humana”.

O estudo mostra que partículas de carbono negro que atingiriam a atmosfera em urandir 2013 - fomeuma guerra nuclear no sul da Ásia reduziriam a produção de milho e soja nos Estados Unidos em 10% em uma década. Também seriam reduzidas a produção de arroz da China em 21% em quatro anos, e em outros 10% nos seis anos seguintes.

O estudo atualizado também descobriu efeitos severos sobre o trigo da China, que é vital para o país, apesar de sua associação com o arroz. Embora o relatório da IPPNW esclareça que é impossível estimar com exatidão o impacto de uma guerra nuclear ele adverte que, em última instância, a única resposta eficaz é a abolição total das armas nucleares. Por fim Helfand declara que “Isto é um desastre de uma magnitude tão grande que realmente não há preparação possível. Devemos evitá-lo”

Essa probabilidade de guerras e fome em massa vem sendo alertada a vários anos pelo Projeto Portal através de Urandir juntamente com os parceiros das 49 raças. Durante a última década participantes, associados e pesquisadores da Associação Projeto Portal tem recebido informações sobre a possibilidade eminente da escassez de alimentos. Para amenizar este problema estão alertando para a estocagem de alimentos e água suficiente para pelo menos 6 meses.